Vidas Passadas: 5 casos curiosos de crianças que afirmam se lembrar de suas vidas passadas

O que acontece quando morremos? Vamos para o céu? Para o inferno? Viramos comidinha de verme? Voltamos à vida em outro corpo? A ciência não tem uma resposta definitiva para esta pergunta, mas estudos que se baseiam na Física Quântica têm avançado em pesquisas envolvendo crianças que dizem se lembrar de vidas passadas. É com uma frase solta em meio a uma conversa ou com pesadelos à noite que esses pequenos revelam pistas sobre vidas que, supostamente, costumavam ter.

Dr. Jim Tucker é professor de Psiquiatria e Ciências Neurocomportamentais da Universidade de Virginia, nos EUA, e há décadas se dedica ao estudo de casos dessas crianças. Apoiado pelos estudos do professor Ian Stevenson, falecido em 2007, ele reúne mais de 2,500 casos, datados desde 1961.

Segundo ele, 70% das crianças que apresentam alguma suposta memória de vida anterior trazem a lembrança de uma morte violenta, sendo 73% deles garotos – nas estatísticas de mortes reais, a morte por causas violentas tem os homens como vítimas em cerca de 70% das vezes. Ainda de acordo com suas pesquisas, as crianças que apresentam esse tipo de memória têm entre 2 e 6 anos e 20% delas carregam marcas de nascença ou deformidades que se aproximam do local do ferimento da morte.

vidas-passadas1

Foto © UVAMagazine

Eu entendo que haja um salto para concluir que há algo além do que podemos ver e senti. Mas há essa evidência aqui que precisa ser levada em conta, e quando nós olhamos para esses casos com cuidado, essas memórias não raro fazem sentido. A Física Quântica indica que nosso mundo físico pode sair da nossa consciência. Essa é uma visão que não só eu tenho, mas um grande número de físicos também a tem”, afirmou ele à UVAMagazine, revista da Universidade de Virgina.

Confira 5 casos em que crianças afirmam ter sido outras pessoas em vidas passadas:

1. Ryan ou Martin Marty?

As histórias contadas pelo norte-americano Ryan não raro envolvem estrelas de Hollywood como Rita Hayworth e Mae West, férias em Parismusicais na Broadway e um trabalho curioso, em que pessoas mudam de nome. Nada disso seria tão surpreendente se não fosse por um mero detalhe: Ryan é um garoto de 10anos que vive com seus pais na pequena cidade de Muskogee, Oklahoma (EUA).

Aos 4 anos de idade, Ryan começou a ter pesadelos frequentes. Ao acordar com o coração palpitando, chorava para sua mãe, Cyndi, e implorava para ir a Hollywood – a mais de 2 mil km de distância de onde moram. Junto aos pedidos, histórias incrivelmente detalhadas sobre a vida nos anos 40 e 50 intrigaram a mãe, que a princípio julgou se tratar pura e simplesmente da fértil imaginação infantil.

ryan-martin
ryan-martin5

Certo dia, Ryan chegou até ela e disse, bastante sério: “Mãe, eu tenho algo que preciso te contar. Eu costumava ser outra pessoa”. Cyndi e seu marido são batistas e não acreditam na possibilidade de reencarnação. Contudo, a vivacidade dos fatos relatados por Ryan foi tamanha que ela decidiu pesquisar informações sobre o período relatado por ele. Enquanto folheava alguns livros com filmes antigos, Ryan apontou para um figurante do filme “Night After Night”, estrelado em 1932 por Mae West, e afirmou: “este sou eu”. Era o começo de uma jornada inquietante rumo a uma vida passada.

Ao assistir ao filme, perceberam que o homem não dizia nem uma palavra, era realmente um simples figurante, que descobriram se chamar Marty Martin. Pesquisas mostraram que Martin chegou a tentar alguns papéis em Hollywood, mas acabou se transformando em um influente agente, transformando pessoas comuns em artistas – e, eventualmente, mudando seus nomes. Perplexa com a possibilidade de ligação entre essas vidas, Cyndi decidiu buscar ajuda – estaria ela e Ryan ficando loucos ou realmente isso era possível?

Ao começar a estudar o caso de Ryan, o Dr. Jim Tucker ficou impressionado com a clareza dos detalhes mencionados. “Se você olha para a foto de um cara sem falas em um filme e me fala sobre a sua vida, eu não acho que muitos de nós acertaríamos sobre a vida de Marty Martin. No entanto, Ryan trouxe vários detalhes que realmente batem com a vida dele”, explicou o estudioso em entrevista ao Today.

ryan-martin2
ryan-martin3
ryan-martin4

Fotos © Jake Whitman/Today

Ryan afirmava ter vivido em Hollywood, em uma rua que continha a palavra “rock” (pedra, em inglês). Ao realizar pesquisas sobre a vida do agente, Dr. Tucker descobriu que ele morava na rua North Roxbury Dr., em Bervely Hills – “rox” tem a mesma pronúncia de “rocks”. Ryan sabia também quantas vezes Martin havia sido casado, quantas irmãs ele tinha e a idade com que ele morreu. Lembranças sobre festas, atrizes e a glamorosa vida na Hollywood dos anos 40 e 50 também não são poucas.

As duas últimas informações foram ainda mais surpreendentes. Ao entrar em contato com a única filha de Martin, Dr. Tucker descobriu que nem mesmo ela sabia ter duas tias, embora documentos provem a existência de duas irmãs. No caso da idade, a certidão de óbito marca 59 e não 61 anos. Antes de pensar ter encontrado uma falha na memória de Ryan, o psicólogo foi atrás de mais documentações e descobriu que Martin nascera em 1903 e não em 1905, como consta na certidão. O agente morreu aos 61 anos, assim como afirmou o garoto.

À medida que fica mais velho, Ryan conta que as memórias vão ficando mais fracas e Dr. Tucker aproveita esse tempo para tentar entender como essas lembranças foram parar lá.

2. Luke Ruehlman ou Pâmela Robinson?

Luke Ruehlman tem 5 anos, mora e Cincinnati, Ohio (EUA) e tem um cuidado excessivo com altura e fogo. Aos dois anos de idade, começou a nomear objetos e brinquedos de “Pam” e a falar coisas estranhas, como “quando eu era uma garota, eu tinha cabelo preto” ou “eu costumava ter brincos iguais a esse quando eu era uma garota”.

Tudo isso era considerado brincadeira de criança até que um dia, despretensiosamente, sua mãe, Erika, decidiu perguntar quem é Pam. A resposta veio com naturalidade: “Eu sou Pam, mas morri. Eu fui pro céu, eu vi Deus e ele me mandou para cá. Quando eu acordei, eu era um bebê e você me chamou de Luke”, teria dito o garoto, segundo a Fox8. Estranhando a resposta, ela pediu que o garoto lhe contasse mais sobre a suposta vida como Pam e se surpreendeu com os detalhes.

luke-pamela
luke-pamela8

Fotos © Fox 8

Luke contou que vivia em Chicago, uma cidade com muita gente, e que costumava andar de trem. Como ela teria morrido? “Ele disse que foi em um incêndio e fez um movimento com a mão, como se alguém se jogasse de uma janela”, conta. Foi com pesquisas em jornais de Chicago que Erika chegou a uma notícia de 1993 que falava sobre o incêndio no Paxton Hotel, em uma área da cidade que concentrava afro-americanos. Na ocasião, mais de uma dezena de pessoas morreram, entre elas, Pamela Robinson, uma mulher de 30 anos. Impressionada com as coincidências, Erika perguntou a Luke qual era a cor da pele de Pam. Imediantamente, ele respondeu “negra, ué”.

luke-pamela7
luke-pamela2

Foto ©United News Media/YouTube

3. James Leininger ou James Huston?

James Leininger sempre gostou de brincar comaviõezinhos. Em seus desenhos, fogos e bombas sempre estiveram presentes, ao lado de aviões. Quando, aos 2 anos de idade, começou a ter pesadelos frequentes e a gritar coisas como “Avião pegando fogo! Homem não consegue sair!”, seus pais Bruce e Andrea pensaram ser a imaginação infantil e o drama de algum desenho animado.

Em um desses pesadelos, James gritava tanto que seus pais foram obrigados a acordá-lo. Ao perguntarem o que havia acontecido, o garoto respondeu que o avião havia pegado fogo devido a mísseis japoneses. Ele disse ainda que havia decolado de uma base chamada Natoma e lembrava-se do nome “Jack Larsen”.

Entretidos com o interesse do garoto pela Segunda Guerra, porém completamente céticos, os pais decidiram coletar alguns livros e materiais sobre o período. Foi então que, ao passar os olhos por uma figura que mostrada Iwo Jima, no Pacífico, James estendeu o dedo e afirmou ter sido ali que ele morreu.

O caso do garoto foi parar no Ghost Inside My Child, um programa de TV que busca crianças que afirmam se lembrar de vidas passadas e faz diversos testes e pesquisas para tentar entender a situação. Em um dos testes realizados pela equipe, uma foto de Pamela foi disposta junto a várias fotos de outras mulheres negras. Luke precisou de poucos segundos para identificá-la.

Eles foram além e pesquisaram sobre a batalha de Iwo Jima, descobrindo que, naquele dia, em 3 de março de 1945, apenas um homem foi morto: James M. Huston, um rapaz de 21 anos que completava sua 50a e última missão antes de ir para casa. Atingido pelos japoneses, seu avião caiu no Pacífico e ele foi morto. Nesse ponto, a brincadeira fugiu do controle e o que eram invenções da mente de uma criança começaram a levantar dúvidas.

Além de saber detalhes específicos sobre a vida de um soldado que, assim como tantos outros, perdeu sua vida na guerra, o pequeno James demonstra um conhecimento impressionante sobre aviões. O garoto afirma que pilotava um Corsair e chegou a comentar que esse tipo de aeronave “tinha problemas nos pneus o tempo todo”. Ao ganhar um avião de presente, sua mãe observou que “ali tem uma bomba”. Imediatamente ele a corrigiu: “Na verdade, é um tanque ejetável”.

Os pais do garoto pesquisaram mais sobre a vida de Huston e chegaram a levar o pequeno James a um encontro dos veteranos de guerra. Chegando lá, ele teria conhecido cada um dos ex-combatentes pelo nome, sem nunca ter encontrado com eles – pelo menos, não nessa vida. Descobriu-se ainda que Jack Larsen era um homem que combateu ao seu lado. Ao entrar em contato com a irmã ainda viva de Huston, James começou a ter memórias específicas sobre histórias da infância, brinquedos antigos e objetos.

james-desenho1
james-desenho2

Fotos ©Reprodução

As histórias da memória de James foram compiladas no livro “Soul Saver” e o garoto foi convidado por um canal de TV japonês a visitar o local onde, supostamente, o piloto teria morrido – fortes emoções.

4. Gus Taylor ou Augie Taylor?

Enquanto estava em um trocador de fraldas, aos 18 meses, Gus Taylor disse a seu pai, Ron: “quando eu tinha a sua idade, eu costumava trocar as suas fraldas”. Ron deu uma risada e continuou em sua tarefa de manter a criança limpa. Foi somente anos depois que a frase do pequeno passou a fazer sentido.

Aos 4 anos, Gus contou, em meio a uma conversa qualquer, que na verdade ele costumava seu Augie, seu avô, falecido um ano antes de seu nascimento. Mais uma vez, não foi lhe dada muita atenção. Seus pais só começaram a levar a sério o que ele dizia quando, ao abrir um álbum de família antigo, pela primeira vez, Gus não teve dificuldade alguma para apontar seu avô quando criança ou de falar sobre o primeiro carro que tivera.

Link da história no youtube em inglês: https://www.youtube.com/watch?v=zLG1SgxNbBM

O que mais intrigou seus pais, contudo, foi quando o garoto mencionou sobre ter uma irmã. Quando sua mãe perguntou mais sobre ela, Gus respondeu prontamente: “ela morreu, se transformou em um peixe, foram alguns bandidos”. A irmã de Augie fora assassinada e seu corpo foi encontrado na Baía de São Francisco, nos EUA. O assunto era tabu na família e nem mesmo seu pai sabia detalhes sobre a morte da moça.

5. Edward Austrian ou o soldado James?

Edward lembra-se claramente de estar na França, aos 18 anos, andando em uma trincheira, lama em seus pés e o rifle pesado nas costas. Uma bala lançada atravessou um soldado e cortou seu pescoço. O gosto de sangue na garganta e a chuva caindo são as últimas memórias que ele tem. O que poderia ser um trecho do relato de um sobrevivente da Primeira Guerra, contudo, são as palavras de um garoto de 4 anos.

Segundo Patricia Austrian, mãe do garoto, ela sempre foi cética quanto a questões de reencarnação, mas achou no mínimo estranho que, além do detalhado relato sobre um momento de morte em guerra, o garoto apresentasse um crônico problema na garganta desde seu nascimento.

Link da história no youtube em espanhol: https://www.youtube.com/watch?v=zLG1SgxNbBM

Os médicos pensaram se tratar de amígdalas, mas logo a dor que Edward sentia transformou-se em um cisto raro e de tratamento complicado. Em vez de se referir à dor como “na garganta”, o garoto costumava dizer que “o tiro” estava doendo. O mais curioso é que, após relatar sua suposta memória anterior e falar sobre o assunto com seus pais, o cisto diminuiu de tamanho e, aos poucos, desapareceu. Segundo o pai do garoto, que é médico, isso é algo bastante raro de acontecer e a possibilidade de Edward ter sido um soldado em outra vida é, no mínimo, intrigante.

Mera coincidência ou reencarnação? A pesquisa ainda é inconclusiva, mas as evidências são argumentos fortes. O Dr. Tucker afirma que a quantidade de casos como esses registrados é pequena devido à resistência dos pais de acreditarem no que a criança diz. Para muitos pais, as palavras dos pequenos é pura fantasia de criança e as pistas não sou ouvidas ou levadas a sério como deveriam. O que torna os relatos mais próximos de serem verdadeiros, segundo ele, é o detalhamento das cenas. “Ser apenas uma coincidência é algo que desafia a lógica”, diz ele.

EdwardAustrian1

Como a consciência ou as memórias de uma pessoa poderia ser transferida para um novo corpo, isso ainda é desconhecido. Contudo, pesquisas em Física Quântica quem sabe, um dia, poderão nos responder e dizer, de uma vez por todas, se estes casos são verdade ou pura coincidência. Por enquanto, resta a nós acreditar ou não. Qual é a sua aposta?

Matéria: Bruna Rasmussen – 31/03/2015 às 07:30 | Atualizada em 08/06/2020 às 19:32 – Link: www.hypeness.com.br

Demônios magnéticos (Larvas Astrais) – Por John Baines

– Por John Baines –
(Pseudônimo do autor chileno Dario Salas) 

Nosso magnetismo pessoal adquire de maneira espontânea a tônica vibratória de nossos estados emocionais instintivos.
Se temos um temperamento depressivo ou destrutivo; se estamos cativos de certos vícios ou nos acostumamos a reagir de forma passional ou descontrolada, transmitimos essas características ao nosso próprio magnetismo, que adota essas mesmas vibrações, ficando programado de acordo com pautas similares.

Quando experimentamos um estado emocional intenso e descontrolado, como nos arrebatamentos de ódio ou ira destrutiva, emanamos uma grande quantidade de magnetismo (que se desprende de nosso corpo e se projeta para o mundo da energia. Como consequência disso, sentimos posteriormente um grande decaimento físico e anímico.

Nossos instintos e emoções podem manifestar-se em uma ampla gama vibratória, expressando-se de maneiras nobres ou perversas. E é essa última possibilidade que especialmente deve nos preocupar, pois, se emitirmos magnetismo saturado de vibrações discordantes ou destrutivas, geradas por inveja, ódio, amargura ou ressentimento, invariavelmente criaremos um núcleo autônomo de energia perversa, que se tornará um demônio magnético…

E esse filho de nossa bestialidade descontrolada, que carece de uma fonte de vida própria, para sobreviver, deve continuar se alimentando de nossas forças vitais (às vezes, buscando novas fontes de energia em outras pessoas suscetíveis de serem vampirizadas).

Se refletirmos sobre o fato de que a maioria dos seres humanos são escravos de suas paixões, tendo em si mesmo uma verdadeira besta interior de notável agressividade e violência, podemos observar que, paralelamente ao mundo material em que vivemos, existe um oceano de energia em que pululam os mais horrendos demônios (que são a prole satânica do lado escuro da alma humana, verdadeira legião infernal que se constitui em uma espécie hostil ao homem, já que seu único impulso é absorver suas energias.

Não obstante tal fato, o homem possui defesas para se proteger disso, já que está recoberto por um campo de energia similar a atmosfera do planeta (denominada “aura” e que pode ser visualizada por muitos sensitivos). No entanto, essa proteção tem uma relação de dependência com os estados emocionais e instintivos do sujeito (que se abre ou cede quando há descontrole).

Um intenso estado de ira, os estados depressivos e as orgias sexuais deixam o sujeito momentaneamente aberto… e isso acarreta a entrada de energias malignas, provocando-lhe estados passionais equivalentes aqueles nos quais se originaram.

Essa invasão deixa os demônios magnéticos em condições de nutrir-se dos mesmos elementos que formaram sua estrutura vibratória vital.

Em linguagem esotérica tradicional, os demônios magnéticos são chamados de “larvas astrais”, nome que conservaremos. Além do mais, sustentamos que o inferno é somente um estado vibratório em que habitam e se agrupam essas criaturas.

Onde está esse mundo tão magistralmente descrito por Dante?

Aqui mesmo onde estamos nesse instante, só que em uma dimensão diferente. Entretanto, desse plano vibratório, essas larvas conseguem alcançar o homem através do veículo de transmissão constituído pelo magnetismo ejetado pelo próprio homem em seus estados passionais.

Suas horrendas formas são as que inspiram temor aos alcoólatras, quando se produzem ataques de “delirium tremens”. O que esses sujeitos veem não é produto de sua imaginação, são entidades que realmente existem.

Provocam indiretamente o ódio, a traição e toda classe de fatos nefastos, já que só podem se alimentar do magnetismo emanado pela ação das paixões inferiores. São uma fonte interminável de perturbações psíquicas, materiais e biológicas. A obsessão e a loucura são provocadas muitas vezes pela possessão de larvas que se apoderam do controle da mente.

Esse fenômeno que estamos assinalando não difere muito do que ocorre com as plantas diante dos climas emocionais dos homens. Se amaldiçoamos uma planta ou projetamos nela o ódio e destruição, nossa energia se desprenderá e terá como tônica o decaimento, ferindo-a como se fosse um pequeno demônio.

Se a energia afeta a planta, também afeta as pessoas, e essas se tornam, inadvertidamente, veículos dos apetites básicos dessas criaturas. O objetivo das larvas é absorver continuamente as energias dessas pessoas…

As antigas lendas sobre “íncubus” e “súcubus” se referem precisamente às larvas. Neste caso específico, principalmente aquelas larvas criadas durante a prática do onanismo.

A entidade formada pelo homem se denomina “súcubo”; e a engendrada pela mulher, “íncubo”.  Uma vez criados só podem seguir existindo mediante a absorção do magnetismo emanado a partir de novos atos de masturbações, motivo pelo qual influem na psique de seus progenitores, despertando novos apetites pelo vício solitário.

Se o sujeito, por algum motivo resiste ao vício, a larva se vê obrigada a buscar outras vítimas (atuando nela durante o sono e provocando sonhos eróticos mediante um procedimento de indução vibratória).

Ainda que nesse momento pareça arcaico ou supersticioso falar de demônios que perseguem o homem, chegará o dia em que esse fenômeno será universalmente conhecido e cientificamente aceito. Atualmente, o que se acredita, também de forma supersticiosa, é que algo que não se vê, não existe.

Já falamos sobre isso anteriormente, afirmando que a parcela visível da fenomenologia da vida é infinitesimal em relação a área que não podemos ver… Porém, apesar disso, ela existe.

É um fato que, em condições normais, não podemos perceber aos demônios magnéticos, muito embora qualquer sensitivo psíquico possa captá-los sob a forma de uma sensação produzida por algo viscoso, repulsivo ou decomposto.

É provável que a “má viagem” a que aludem algumas pessoas que têm usado alucinógenos, possa ter relação com essas entidades negativas.

Sempre se acreditou que uma alucinação é algo que somente existe na mente de quem a imagina, sem jamais pensar que essas visões possam corresponder a formas monstruosas que existem verdadeiramente em um plano invisível.

Em linguagem ocultista, esse plano é denominado de “astral”, nome que designa um nível que não é físico. É com esse lugar que se comunica o sujeito que sofre de “delirium tremens”, contemplando seres disformes que realmente existem, engendrados pelas paixões e desvarios humanos. Ali estão representados os seus mais loucos desatinos emocionais e instintivos.

Existe também um plano astral superior, onde habitam formas mais elevadas, porém isso não é tema desse livro. Somente mencionamos isso antecipando-nos a inquietudes de alguns leitores.

Se é fato que não podemos ver as larvas astrais, é perfeitamente possível observar sua destrutiva ação no ser humano, já que existem incontáveis sujeitos psiquicamente envenenados pela ação dessas forças hostis. Observemos, por exemplo, o que ocorre comumente com onanistas, que permanecem desvitalizados e nervosos, carentes de vontade e concentração mental, incapazes de esforços poderosos e sem aptidão para abrir caminho na própria vida. Em geral, os seus assuntos pessoais não fluem, e desenvolvem algum tipo de neurose.

Três assuntos básicos devem ser assinalados nesse capítulo:

  1. A compreensão do processo mediante se formam as larvas astrais, e o mecanismo pelo qual se convertem em seres hostis ao homem.
  1. Que o leitor observe o comportamento de pessoas presumivelmente possuídas, entre as quais se encontram com frequência os histéricos, melancólicos, obsessivos, violentos, ébrios e perturbados mentais.
  1. Esclarecer que existe a possibilidade de combater as larvas astrais por certos meios, comprovando em muitos casos uma franca melhoria nos sintomas negativos.

Obviamente, esse último ponto é o único que nos permite comprovar a existência das larvas astrais. Devemos esclarecer que nem sempre elas causam um dano tão incisivo em suas vítimas, como os que temos assinalado aqui. Também é comum que os afetados experimentem uma grande tristeza, sem motivos aparentes. Às vezes, podem se ver afetados por transtornos gástricos ou hepáticos, cefaleias variadas, sonolência difusa, tensão nervosa exacerbada, e outros sintomas.

Existem três sistemas básicos para combater as larvas astrais:

  1. O uso de pontas de aço para efetuar passes sobre o corpo do afetado, pois o aço descarrega a energia das larvas.
  1. O uso de agentes que extraiam umidade.

A tradição afirma que essas entidades são de constituição aquosa em sua periferia, tendo em seu centro um núcleo energético. Ao absorver a parte aquosa, se desvitalizam rapidamente e se dissolvem. Para esse efeito, se usam duas coisas:

  1. O sal grosso.

Se colocamos as mãos na água com sal, ou projetamos esse líquido em alguma zona corporal afetada pelo vampirismo desses parasitas, observamos um rápido alívio de alguns sintomas.

  1. Os cactos.

Os cactos possuem a propriedade de absorver a umidade ambiental, e isso resulta que sejam muito eficazes para proteção contra as larvas.

  1. A altura.

Há comprovações de que as larvas sobrevivem muito dificilmente em zonas muito altas. Por isso, acreditamos que seria de grande interesse estabelecer sanatórios ou casas de repouso para enfermos mentais e nervosos em lugares localizados a quatro mil metros de altura, ou mais…

Para terminar, é preciso alertar que todos os lugares que são uma espécie de antros de vícios se constituem em guarida de muitas larvas astrais ansiosas por absorver a vitalidade que necessitam. Por isso, é muito perigoso se relacionar continuamente com pessoas que frequentam esses lugares, já que são portadoras de entidades negativas.

De tudo o que temos estudado, um dos mais significativos fenômenos é o da criatividade humana. Inconscientemente, todas as pessoas estão gerando forças, situações, formas mentais e energias de diversas índoles. Todas elas são acolhidas por esse grande útero que é a natureza, a qual constitui muitas réplicas invisíveis da Mãe Terra, desenvolvendo em seu ventre toda semente energética que a penetra, originando, assim, o grande mistério da vida.

Tudo o que sai de uma pessoa, volta para ela mesma; sempre se colhe o que tiver semeado. Essa profunda verdade só tem o inconveniente de ter sido popularizada, o que impede que seja apreciada e compreendida. Virou até mesmo um “slogan” que se repete, porque soa bem, porém, cujo significado se ignora completamente.

Na realidade, o homem é um constante emissor de energia geradora. Infelizmente, suas projeções são descontroladas e inconscientes (não provêm de uma inteligência equilibrada, mas de suas paixões e ações negativas).

Mr. Daimler Benz: A nossa vida irá mudar dramaticamente nos próximos 20 anos.

” A nossa vida irá mudar dramaticamente nos próximos 20 anos, segundo o CEO da Mercedes. Em uma entrevista recente, Mr. Daimler Benz (Mercedes Benz) dissera que seus concorrentes não são mais as outras companhias de carro, mas sim a Tesla (óbvio), Google, Apple e Amazon, considerando que:

1. Softwares irão quebrar a maioria das indústrias tradicionais nos próximos 5-10 anos;

2. Uber é apenas uma ferramenta de software, eles não possuem carros, e são agora a maior empresa de táxi do mundo;

3. Airbnb é agora a maior empresa hoteleira do mundo, embora eles não possuam quaisquer propriedades; Ler mais

Pesquisa realizada pelo Aurio Corrá sobre as relações das Sinfonias de Beethoven vrs Chacras/Espiritualidade

1ª- Sinfonia -> Estimula fortemente a motivação e a autoconfiança, a força interior, à energia de veda.

2ª- Sinfonia -> Cria força de vontade, poder de decisão; pode promover profundas transformações em mentes passivas, aumenta a vontade de viver.

3ª- Sinfonia em Fá -> Contribui para equilibrar o sistema nervoso; combate a tensão o stress, o pessimismo, a incerteza e o desânimo, gera vontade de ir a luta. Ler mais

Lázaro Freire: 10 técnicas para abrir a clarividência (infalível)

Muitos me escrevem pedindo “técnicas infalíveis” de como abrir sua clarividência ou projeção com uma simples prática ou consulta, de preferência via e-mail e sem muito esforço. Alguns chegam a exigir. Sempre muito bem intencionados, lembram os que pedem a Deus um bilhete premiado para ajudar os necessitados. Ler mais

Jefferson L. Orlando – Milhares de encarnações…

Antes de encarnar fazemos uma série de planejamentos, estudos, práticas e trabalhos nas cidades astrais (Entrada do Mundo Espiritual), pois sabemos que vamos nos deparar com uma série de provas/desafios novamente quando voltarmos aqui na Terra.

E de todas as emoções, sentimentos e pensamentos que temos aqui na Terra e que causa mais sofrimento é o apego. Ler mais